Cobiçado

Própolis vermelha de Alagoas ganha mercado internacional

Diretores da Apícola Ouro Vermelho falam da produção do extrato, recursos e procura pelo produto

Retirada da própolis vermelha in natura nos apiários dos manguezais alagoanos
Retirada da própolis vermelha in natura nos apiários dos manguezais alagoanos
Certamente você já ouviu falar sobre a própolis vermelha ou do extrato de própolis vermelha, um produto historicamente conhecido por sua ação anti-inflamatória que contém oito substâncias inéditas – duas delas capazes de inibir o crescimento de células de câncer de mama, próstata, cérebro (glioma) e ovário, levando 50% delas à morte em testes iniciais realizados em laboratório.

Esta informação foi divulgada a partir de um estudo preliminar que envolveu pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo (USP). Após descobrirem as oito substâncias inéditas da própolis vermelha, extraída de colmeias em Alagoas. A pesquisa foi publicada na revista científica internacional Journal of Natural Products.

O extrato de própolis vermelha, que já vem ganhando o mercado alagoano e nacional, agora está sendo ‘cobiçado’ por outros países. E o TH Entrevista desta semana foi até a Apícola Ouro Vermelho, localizada na região do Portal dos Gregórios II, no município de Satuba, região metropolitana de Maceió, conversar com os diretores da indústria sobre o processo de produção do extrato de própolis vermelha, a oferta de mercado e mostrar porque o produto tipicamente alagoano está sendo procurado por outros países.

De acordo com o sócio-proprietário e diretor comercial da apícola, o engenheiro civil Cícero Rocha, a empresa utiliza a abelha africanizada, de nome científico Apillis Melifera, para produção da própolis vermelha de Alagoas. “Seu diferencial é que foram encontradas nela sete isoflavonóides que nunca tinham sido achados em nenhuma outra própolis no Brasil. O que a leva a ser uma própolis cada vez mais nobre, de excelente qualidade. Sem contar que existem, ainda, mais de 300 princípios ativos no produto”, comenta Rocha.

Rocha também pontua que o produto pode ser encontrado nos principais supermercados e lojas de produtos naturais de Alagoas e outros estados. “Estamos felizes porque essa procura ultrapassou fronteiras e o mercado internacional sinaliza positivamente. Temos pedidos para Alemanha e Coreia’’, conta.

Diretores e sócios proprietários da Apícola Ouro Vermelho
Diretores e sócios proprietários da Apícola Ouro Vermelho
Sócio e diretor administrativo, o administrador de empresas Gerardo Brêda disse à reportagem que outro fator importante é que os apiários próprios da indústria Ouro Vermelho alimentam aproximadamente apenas 20% da capacidade da empresa, o restante vem de produtores que fazem parte de associações dos municípios de Roteiro, Marechal Deodoro e todo litoral alagoano que tem a vegetação – onde as abelhas se alimentam de uma resina avermelhada presente nos caules da árvore Dalbergia ecastaphyllum, popularmente conhecida como Rabo-de-bugio.

“Eles [apicultores] formam uma cadeia primária – e nós introduzimos ideias ambientais em especial os manguezais, onde estão os apiários e a matéria-prima para a produção do extrato de própolis’’, lembra.

Brêda também falou da importância do registro e selo do Ministério da Agricultura. “E um documento, digamos assim, que mostra a qualidade do produto, ou seja, é totalmente próprio para o consumo o humano’’.

Matéria-prima é oriunda dos manguezais alagoanos
Oriunda dos manguezais alagoanos, a Própolis Vermelha de Alagoas possui cor avermelhada e cheiro balsâmico forte, é gerada a partir da resina da planta “Rabo de Bugio”, transformada na colmeia pela ação salivar das abelhas, cera e pólen. O entreposto em Satuba recebe a matéria- prima que vem do campo e faz o beneficiamento adicionando uma mistura até compor o produto final.

Cícero Rocha apresentou como funciona o fluxograma da indústria – veja a entrevista na íntegra no Portal Tribuna no Youtube.

Os diretores e sócios proprietários da Ouro Vermelho enfatizam que a produção não é apenas para Alagoas.‘’A ‘cobiça’ nacional abriu portas para o mercado internacional. A nossa própolis é um produto que tem característica impar, diferenciada das demais própolis existentes no país’’, ressaltam Rocha e Breda.

Em relação à produção mensal, Gerardo diz que isso depende da sazonalidade. ‘’Mas conseguimos êxito na produção para ofertar o produto para o mercado’’, afirma Gerardo Breda.

Além disso, os diretores lembram que a própolis vermelha é um produto que aumenta a imunidade, e em tempos de pandemia é essencial. “Os benefícios do uso da própolis vermelha são muitos. Estão no aumento da imunidade, inclusive para portadores de HIV, e para aqueles que passam pelo processo de radioterapia e quimioterapia, que ficam com imunidade baixa. Também tem mostrado excelente resultado para tratamento dos rins, e combate os radicais livres, que provocam a degeneralização das células, daí vem o câncer. Como também é importante em tempos de pandemia da Covid-19”.
Voltar Voltar Voltar ao topo da página Topo


Principal  |   Expediente   |   Sugestões   |   Anuncie

© 2021 Turismo & Negócios - Todos os direitos reservados

[email protected]