Busca:     

Centenários

Faróis são bússola no litoral alagoano

Marinha do Brasil gerencia sete equipamentos montados no litoral de Alagoas

Luz do farol no bairro do Jacintinho pode ser vista a 60 km da costa da capital
Luz do farol no bairro do Jacintinho pode ser vista a 60 km da costa da capital
Os sete faróis náuticos administrados pela Marinha em Alagoas ainda são o principal meio de orientação de pescadores e marinheiros que navegam pelos 229 quilômetro de nosso litoral, apesar dos radares e do GPS. Os equipamentos funcionam diariamente em perfeito estado, mesmo com equipamentos centenários.

O farol é uma estrutura fixa montada em ponto estratégico, com equipamento luminoso exibindo uma luz com característica pré-determinada e com alcance superior a 10 milhas (ou 16 quilômetros). Os faróis são mantidos por todas as nações devido a sua importância para a navegação. Possuem características específicas e podem ser conhecidas por meio da carta náutica, documento essencial nas embarcações.

Os faróis existentes em Alagoas estão localizados no Pontal do Peba; na foz do Rio São Francisco, em Piaçabuçu; Pontal de Coruripe, em Coruripe; Praia do Gunga, em Roteiro; um na Praia da Ponta Verde e outro no bairro do Jacintinho, em Maceió; e o último em Porto de Pedras.

Faroleiro
“O GPS e todas essas outras tecnologias podem falhar. Por ser equipamento, em tese, infalível, todos os países mantêm seus faróis ativos no mundo inteiro. Sua ‘leitura’ é universal e cada um possui características únicas, o que ajuda o marinheiro a se orientar em alto mar”, explica Alessandro, sargento da Marinha do Brasil responsável pelo funcionamento de todos os faróis instalados em Alagoas.

Farol do Pontal de Coruripe
Farol do Pontal de Coruripe
O militar reforçou que muitos pescadores em Alagoas utilizam os faróis para orientação em alto mar. Eles também avisam à Marinha quando a luz está enfraquecida e a troca é providenciada. “Nós temos uma programação pré-estabelecida de manutenção, mas às vezes a luz perde sua potência e são os próprios pescadores que nos avisam sobre o problema, que é sanado imediatamente. Hoje, tenho a satisfação em dizer que, desde que assumi a função aqui em Alagoas, não há registro de avaria nos equipamentos. Operamos em quase 100%”, contou.

Muitas pessoas têm curiosidade sobre como um farol efetivamente funciona. Atualmente, são acionados automaticamente por eletricidade por fotossensor que, ao detectar baixa luminosidade, ativa o equipamento. Mas, o sargento garante que há outras duas formas de acionamento existentes que são utilizados em casos de emergência, quando a primeira alternativa venha, se for o caso, a falhar.

“Todos os nossos faróis funcionam à base de luz elétrica, mas, em caso de falta de energia, duas baterias suprem a necessidade mantendo o equipamento em funcionamento. Mas, vamos supor que as duas alternativas falhem, o funcionamento passa a ser mecânico. Um pêndulo preso em uma corrente de ferro, de aproximadamente 50 quilos, percorre toda a altura do farol e, ao descer, faz com que as lentes girem”, explicou.

Ele ainda complementou: “A cada 4 horas, o marinheiro puxa o pêndulo para cima, para que ele retome todo o processo”, concluiu.

Os faróis são compostos por fontes luminosas (lâmpadas) e lentes que giram em torno dela. A cada rotação, a luz “pisca” por determinado tempo e voltam a piscar já na cor encarnada. Estas características são únicas e exclusivas de cada farol.
Voltar Voltar Voltar ao topo da página Topo


Principal  |   Expediente   |   Sugestões   |   Anuncie

© 2017 Turismo & Negócios - Todos os direitos reservados

[email protected]